O que é Glicação: a inimiga dos procedimentos estéticos

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp

Você sabe o que é glicação? E como ela pode interferir nos resultados dos seus pacientes?

Todo mundo sabe que o colágeno e a elastina são responsáveis pela firmeza da pele, mas você sabe o que acontece quando eles se unem à uma molécula de glicose?

O que é Glicação?

Esse processo é denominado de glicação e ocorre quando uma molécula de glicose se une a uma proteína, sim, esses que lutamos tanto para manter após os 25 anos! Essa junção deixa a proteína instável, fazendo com que ela se quebre, afetando a pele do paciente.

Trata-se de um efeito negativo que o açúcar (glicose) promove em nosso corpo. Os carboidratos ou moléculas de glicose conectam-se com proteínas, que podem ser de colágeno ou elastina. Essas por sua vez sofrem modificações, não conseguindo desempenhar os seus papéis. Nesse caso, estamos lidando com a tonicidade da pele e sua hidratação. Isso leva à formação de AGEs (Advanced Glycation End Products – Produtos Finais da Glicação Avançada), essas substâncias são responsáveis pela aceleração do envelhecimento e pela perda de colágeno e elastina.

Quais os efeitos da glicação?

Os efeitos da glicação podem comprometer a estrutura do tecido, endurecendo o colágeno e consequentemente endurecendo a pele.

O colágeno é flexível, quando o açúcar o agride, essa estrutura enrijece, ocasionando o aparecimento de rugas, perda de tonicidade, elasticidade e acaba promovendo um envelhecimento acelerado. É comum também o aparecimento de papada e deformação do contorno facial.

A desidratação da pele também é um problema relacionado à glicação, uma vez que as moléculas de água não são absorvidas pelo colágeno.

É uma relação diretamente proporcional. Quanto mais rígido for o colágeno, mais problemas a pele terá.

Uma pele glicada não responde rapidamente aos procedimentos estéticos! Oriente seus pacientes a manter uma alimentação saudável, com baixa ingestão de açúcares, frituras, gordura, álcool e carboidratos.

Como orientar seu paciente?

Peça ao seu cliente que faça um acompanhamento com um dermatologista para que ele saiba o nível de glicação de sua pele, além de poder promover uma desintoxicação do organismo. Alguns dermocosméticos podem ajudar!

Feito isso, comece os tratamentos estéticos!

Como entregar resultados ao seu paciente?

Ele já esperou tanto tempo por resultados que não eram aparentes antigamente. Por que não apresentar uma tecnologia que forneça resultados na primeira sessão? É exatamente isso que o Andrus Criofrequência faz!

Para quem não sabe, essa tecnologia usa como base a radiofrequência somada a ponteiras resfriadas. Suas baixas temperaturas proporcionam maior conforto ao paciente, possuem também propriedades vasoconstritoras, responsável pelo efeito lifting imediato!

Já as temperaturas mais altas, possíveis através da emissão de radiofrequência, promovem a síntese de colágeno e elastina, aumentam a oxigenação pela vasodilatação e o metabolismo celular, desintoxicando o tecido.

A combinação do quente mais frio ocasiona um choque térmico no tecido, gerando um efeito cascata na produção de colágeno.

Depois dessa explicação, não tem como não se encantar com o Andrus, saiba mais sobre a plataforma!

LEIA MAIS

Participe da discussão

1 comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba todas as novidades
da Adoxy no seu e-mail