Tipos de celulite: quais são e como tratar?

A celulite, também conhecida como “casca de laranja”, é uma alteração na textura da pele que afeta principalmente mulheres, caracterizada por ondulações, saliências e aspecto acolchoado, principalmente nas coxas, quadris, bumbum e abdômen.

Apesar de ser uma situação bastante incômoda, a modernidade trouxe inúmeras soluções e protocolos de estética que amenizam as marcas e trazem maior qualidade de vida para os pacientes, além da melhora da autoestima e bem-estar.

Saiba mais sobre a celulite e como resolver esse problema: boa leitura!

Mas o que causa essa aparência indesejada?

A celulite se forma quando as células de gordura (adipócitos) na camada subcutânea da pele aumentam de tamanho, comprimindo os vasos sanguíneos e linfáticos. Essa compressão dificulta a circulação e a oxigenação, levando à retenção de líquidos, formação de nódulos e o aspecto característico da celulite.

Tipos de celulite

Existem três tipos principais de celulite, cada um com características distintas:

  • Celulite Edematosa: A mais comum, associada à retenção de líquidos e inchaço. Textura mole e pastosa, geralmente em mulheres jovens.
  • Celulite Fibrosa: Mais firme e aderida à pele, com nódulos mais definidos. Associada à produção de colágeno e elastina desorganizada. Mais comum em mulheres acima de 35 anos.
  • Celulite Esclerótica: A mais grave, com nódulos duros e retraídos, formando “furinhos” na pele. Associada à perda de elasticidade e rigidez da pele.

A seguir, vamos entender os principais graus de agravamento da celulite na pele. 

Conheça os principais graus de celulite na pele

Para realizar o melhor tratamento para o seu paciente, é necessário uma avaliação cuidadosa, considerando a idade do paciente, os seus hábitos de vida e outros fatores que afetam diretamente no resultado do protocolo. 

Grau 1 (Leve):

  • Aspecto: a pele é lisa à vista, mas apresenta ondulações ou “furinhos” quando comprimida;
  • Sinal: pouco visível, geralmente percebido apenas em situações específicas;
  • Tratamento: foco em medidas preventivas, como hidratação, alimentação balanceada e prática regular de exercícios físicos.

Grau 2 (Moderado):

  • Aspecto: ondulações e “furinhos” são visíveis mesmo sem comprimir a pele;
  • Sinal: mais evidente, especialmente em áreas como coxas, nádegas e quadris;
  • Tratamento: combinação de medidas preventivas com procedimentos estéticos, como radiofrequência, endermologia e massagens.

Grau 3 (Avançado):

  • Aspecto: nódulos e saliências na pele são perceptíveis ao toque e à vista;
  • Sinal: celulite profunda e evidente, podendo causar dor e sensibilidade;
  • Tratamento: abordagem individualizada, geralmente combinando procedimentos estéticos com acompanhamento médico e nutricional.

Grau 4 (Grave):

  • Aspecto: pele com aspecto acolchoado e enrugado, com nódulos grandes e saliências pronunciadas;
  • Sinal: celulite severa, podendo comprometer a circulação e causar dor constante;
  • Tratamento: Requer acompanhamento médico especializado, com foco em procedimentos invasivos e medidas para amenizar sintomas.

Lembre-se: A classificação da celulite é subjetiva e pode variar de acordo com a avaliação profissional. O importante é buscar orientação individualizada para o melhor tratamento. 

Fatores que influenciam a celulite

É preciso uma avaliação criteriosa para determinar o grau da celulite, bem como a melhor solução – quantas sessões de tratamento, etc. 

Afinal, todo paciente merece ir à praia e apresentar um corpo esbelto e bem definido, sem medo, culpa ou restrição. E isso é possível com o tratamento certo. 

E claro, precisamos falar sobre os fatores que influenciam o aparecimento (ou agravamento) da celulite na pele:

  • Genética: predisposição familiar é um fator importante;
  • Hormônios: estrogênio e progesterona influenciam o armazenamento de gordura e a retenção de líquidos;
  • Idade: a produção de colágeno e elastina diminui com a idade, contribuindo para a celulite;
  • Peso: o excesso de peso corporal pode agravar a celulite;
  • Sedentarismo: a falta de atividade física contribui para o acúmulo de gordura e retenção de líquidos;
  • Dieta: alimentação rica em gorduras saturadas, açúcares e sódio pode piorar a celulite.

Tratamentos eficazes

Embora não exista uma cura definitiva para a celulite, diversos tratamentos podem ajudar a melhorar sua aparência:

  • Alimentação: dieta rica em frutas, verduras, legumes, grãos integrais e proteínas magras, com redução de gorduras saturadas, açúcares e sódio;
  • Atividade física: exercícios aeróbicos e musculares regulares para estimular a circulação, queima de gordura e tonificação muscular;
  • Cremes e loções: com ativos como cafeína, retinol e vitamina C podem ajudar a reduzir a retenção de líquidos, estimular a produção de colágeno e melhorar a textura da pele;
  • Procedimentos estéticos: técnicas como radiofrequência, endermologia e criolipólise podem auxiliar na redução da celulite, mas exigem acompanhamento profissional.

Lembre-se:

A celulite é uma questão que afeta a maioria das mulheres, portanto não existe somente um tratamento que funcione para todas as pessoas da mesma forma. Aqui, entra a boa avaliação do profissional.

A combinação de dieta saudável, atividade física e tratamentos específicos pode ajudar a melhorar a aparência da celulite e promover o bem-estar geral.

Além disso, os tratamentos da Adoxy são baseados em muita pesquisa e aplicação responsável nos pacientes, considerando todos os fatores que citamos acima. 

Conheça aqui as soluções da Adoxy para a sua clínica. Continue acompanhando o nosso blog para conferir mais artigos relevantes como esse. 

LEIA MAIS

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba todas as novidades
da Adoxy no seu e-mail