Como Funcionam os Manípulos de Radiofrequência?

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp

Você sabe como funcionam os manípulos de radiofrequência? Leia esse post até o final para descobrir e tirar todas as dúvidas.

Qual o princípio Físico contido nos aplicadores de Radiofrequência? Como funcionam?

Vamos elucidar rapidamente como funcionam os diversos tipos de aplicadores de Radiofrequência, e como usá-las de forma correta.

A Radiofrequência (RF) para uso terapêutico não é novidade para ninguém.

Aliás estes efeitos terapêuticos já são observáveis desde a década de 20 do século passado.

Faz tempo não é? E assim como todas as demais tecnologias eletromédicas, as RF tiveram grandes avanços, e sua aplicabilidade para terapias estéticas cada vez mais comuns.

Resumindo, todo mundo faz uso de RF em suas clínicas, correto?

Como todo mundo já sabe este equipamento é gerador de ondas eletromagnéticas. E para isso faz uso de manípulos aplicadores (ou ponteiras, como queiram): monopolar, bipolar, tripolar, hexapolar, multipolar, etc…

E agora, você sabe dizer quais as diferenças entre eles? Como funcionam?

Por que são diferentes?

Como Funcionam os Manípulos de Radiofrequência?

Um equipamento de RF tem um módulo gerador de RF, ou módulo de potência, que gera RF numa determinada frequência.

Variável ou não, e ela é mensurada em Hz, e numa dosagem, que é mensurada em W.

Um fio leva um pólo desta energia RF para o manípulo, então – sabemos que para haver passagem de corrente elétrica (RF) é preciso que haja um ‘’caminho’’ para a passagem desta corrente.

Então é certo dizer que essa energia RF deve ser emitida pelo manípulo aplicador e deve percorrer um caminho, esse caminho é o tecido do paciente, e deve encontrar-se num outro pólo para ‘’fechar’’ o circuito.

Ainda tem dúvidas? Saiba mais no nosso blog:
Como escolher seu aparelho de radiofrequência
3 equipamentos de estética que não podem faltar em sua clínica
Terapia Híbrida na clínica de estética: como e por que oferecer o tratamento?

Manípulo Monopolar

No caso de um manípulo MONOPOLAR: vamos a semântica, mono significa sozinho, único, e POLAR é pólo. Então um manípulo MONOPOLAR só tem um pólo? Não é bem isso. Pessoal, como dito acima, é preciso fechar o circuito, certo? Então sempre vai haver dois pólos, emissão positivo, e um pólo negativo, que recebe a energia que caminhou pelo tecido. Então tecnicamente SÓ EXISTE RF BIPOLAR, mas vou explicar melhor.

Diz-se que um manípulo é MONOPOLAR, quando um dos pólos da radiofrequência é aplicado ao paciente e o outro pólo é uma placa negativa ou placa de acoplamento, que irá receber a energia aplicada pelo pólo positivo.

É quando você coloca essa placa negativa, por exemplo, nas costas ou na perna de um paciente, e coloca o manípulo aplicador de RF no abdômen do paciente. A energia emitida deverá percorrer um caminho, que fisicamente é o caminho que oferece menor resistência a passagem desta energia. Como não há outro pólo negativo acoplado ao paciente, ela irá chegar até a placa negativa, por isso ela irá atravessar o tecido do paciente fechando o circuito na placa negativa acoplada no paciente.

É por isso que este tipo de manípulo é usado para fazer tratamentos para gordura localizada, isto é, a ação de RF, que é o aquecimento, deve ser mais profundo (20mm).

Por isso todo equipamento de RF que tem manípulo monopolar deve ser usado com sua placa negativa, pois senão NÃO TEMOS emissão de RF. Salvo os casos de RF capacitiva onde a emissão e recebimento da energia RF é feita dentro do próprio manípulo, e emitida ao paciente por um eletrodo isolado que funcionará como uma antena. Mas isso é assunto para artigos futuros, ok?

Manípulo Bipolar

Já os manípulos BIPOLARES tem DOIS PÓLOS no manípulo aplicador, um perto do outro.

O princípio é o mesmo do MONOPOLAR, emissão e recebimento. Só que isso é feito com dipolos (dois pólos) próximos junto ao manípulo aplicador, gerando um ‘’arco’’ de energia RF.

Ela e emitida num pólo, percorrerá o tecido do paciente pelo caminho que oferecer menor resistência, e encontrará o pólo negativo, neste caso bem próximo a ele, fazendo com que a passagem da RF seja menos profunda (<20mm), por isso são indicados para trabalhar flacidez.

Manípulo Tripolar

Manípulos tripolares: Tecnicamente não existe tripolar, somente bipolar, o termo Tripollar® foi usado pela empresa criadora do equipamento de RF Apollo®, que tem 3 pólos ou eletrodos de RF em seu manípulo. Acontece nesse caso que, trata-se de um manípulo bipolar que intercala os pólos negativo e positivo afim de termos 2 arcos de emissão de RF num mesmo manípulo, ampliando a área tratada numa mesma aplicação. No entanto vale ressaltar que, são arcos formados de forma intercalada e não concomitantes, ok?

Existem manípulos multipolares?

Manípulos quadripolares, hexapolares, multipolares, todas são expressões comerciais criadas para explicar a existência de mais de 2 pólos ou eletrodos, mas a ideia, o princípio é o mesmo do bipolar, gerar um campo magnético entre os pólos próximos entre si.

Como explicamos acima, os pólos ou eletrodos de RF são sempre dispostos em pares, positivo e negativo, emissão e recebimento, e também explicamos que a corrente emitida por um pólo positivo sempre irá percorrer o caminho que lhe oferecer menor resistência (mensurada em ohms) a sua passagem até o pólo negativo.

É fato que num manípulo monopolar a resistência a passagem da corrente é maior se comparada a bipolar, uma vez que a energia terá de atravessar todo o corpo do paciente até chegar a sua placa negativa, e no bipolar os pólos estão muito próximos, isto é, no manípulo bipolar a corrente terá uma menor resistência para sua passagem, uma vez que o pólo está próximo de sua emissão. Por esta razão a aplicação simultânea de RF no modo monopolar e bipolar não podem ser feitas, uma vez que o eletrodo emissor monopolar não irá percorrer o caminho que lhe oferecer maior resistência, ou a corrente percorrida será não significante, pois há um pólo negativo próximo a ele oferecendo menor resistência a sua passagem.

Desta maneira é sempre correto usarmos cada manípulo para sua aplicação, entendendo como funciona a Física e como funcionam os manípulos de radiofrequência.

Buscando alta performance e potência em radiofrequência? conheça o Andrus.
Para mais conteúdos como esse acesse o nosso blog.

Um abraço.Carlos
Eduardo Miranda
Diretor técnico – Adoxy

LEIA MAIS

Participe da discussão

4 comentários

  1. Achei muito coerente suas respostas e de muito fácil entendimento, parabéns..

    1. Olá Jussara! Obrigada!
      Continue acompanhando nossos posts no blog!

  2. Então com o uso da manopla multipolar não é necessário o uso placa dispersiva?

    1. Exatamente, Flávia!
      Tanto na manopla bipolar, tripolar e multipolar não é preciso utilizar a placa dispersiva, pois elas conseguem fechar o campo magnético por possuírem o polo ativo e dispersivo no próprio manípulo aplicador.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba todas as novidades
da Adoxy no seu e-mail